close

Mais Presença

Linha Editorial: como estruturar sua mensagem nos meios digitais

Henrique Carvalho Escrito por Henrique Carvalho em 15 de dezembro de 2021
Junte-se a mais de 250.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Você vai encontrar muitas definições de linha editorial por aí.

Porém, ela nada mais é do que uma estruturação da mensagem da sua marca nos meios digitais, um termo que já era conhecido dos veículos tradicionais de comunicação, como jornais e revistas.

Tanto que essa é a definição de linha editorial que você encontra no Wikipedia:

“A lógica pela qual a empresa jornalística enxerga o mundo; ela indica seus valores, aponta seus paradigmas e influencia decisivamente na construção de sua mensagem”.

Como produzir conteúdo como forma de fazer marketing na internet já não é mais uma opção, mas uma necessidade, ter uma linha editorial também é caso você não queira apenas desperdiçar tempo e energia para atrair as pessoas erradas para suas mídias digitais.

E se existe uma coisa que muda com frequência na internet são os canais de mídia, logo, mais importante do que focar em quais redes sociais você quer estar é cuidar da mensagem que você deseja transmitir.

A maneira mais rápida de você falhar nos negócios é se apaixonar pela maneira que ganha dinheiro neles.

Podemos citar diversos modelos de negócios que sumiram porque se recusaram a acompanhar as mudanças do mercado:

  • As gravadoras tiveram grandes problemas para se adaptar às mudanças trazidas pelos aparelhos de MP3 e depois os streamings de música.
  • A Blockbuster que foi substituída pela Netflix e outros serviços de streaming.
  • Listas telefônicas viraram peça de museu ou peso de porta após a dominação da internet e do Google.

O mesmo acontece com os canais de marketing digital.

Os canais de mídia tradicional já não oferecem a melhor relação custo x benefício do mercado, ainda que sejam eficientes.

Nem mesmo canais digitais, como o e-mail, ainda que muito relevante, perdeu um pouco da sua força.

Se em 1997 você tinha uma taxa de abertura de 90% e taxa de cliques próximo a 65%, hoje esses números não passam de 10% e 1%, respectivamente, apesar de continuar sendo uma poderosa ferramenta de vendas.

E por que estou falando de todas essas mudanças em um artigo sobre linha editorial?

Porque quero deixar claro que não existe uma linha editorial atemporal, que fará sentido durante toda a existência do seu negócio.

Os canais aumentarão ou diminuirão sua relevância ao longo do tempo, seguindo as mudanças do mercado e dos hábitos dos consumidores, e você precisa antecipar e estar pronto(a) para fazer essas alterações se deseja continuar relevante.

Linha Editorial e os canais do momento

Quem não lembra dos já falecidos:

  • Orkut
  • Snapchat
  • MSN
  • ICQ

Steve Jobs disse uma vez em uma entrevista que diferentes tecnologias andam em ciclos e estações.

Elas começam de forma brilhante na sua primavera, atingem seu auge no verão, declinam no outono, até que morrem no inverno e são enterradas no cemitério das tecnologias do passado.

Podemos ver isso acontecendo com o Facebook e o Instagram.

Enquanto o Facebook já não está mais no auge da sua glória, o Instagram se tornou a rede social de maior destaque e número de usuários ativos no momento.

Por falar em mídias digitais, podemos dizer que essas são as mais fortes no momento:

  • Instagram
  • YouTube
  • Podcast (aumenta a cada dia)
  • LinkedIn (em alguns nichos)
  • Blog (ainda é relevante para atrair tráfego orgânico)
  • Email (apesar da redução das taxas de cliques e abertura, é o melhor canal de vendas)
  • Telegram
  • Whatsapp (o melhor canal de vendas diretas)

Sem falar nas novidades que não param de surgir e ganhar o gosto dos públicos mais jovens, como o Tik Tok.

**No entanto, querer estar em todos ao mesmo tempo é a receita certa para o fracasso. **

Veja o que você pode fazer em vez disso:

A Regra 64/4

Pareto era um economista italiano que percebeu que 80% das terras na Itália pertenciam a 20% da população.

Daí nasceu o princípio de Pareto, também conhecido como a regra 80/20.

Acontece que a regra dos 80/20 também é verdadeira para praticamente qualquer coisa que você pensar, como por exemplo:

  • 80% das receitas de uma empresa vem de 20% dos seus clientes.
  • 80% dos acidentes de trânsito são causados por 20% dos motoristas.
  • 80% do dos softwares é usado por 20% dos usuários.

Resumindo: 80% dos efeitos vem de 20% de suas causas.

E tudo isso é fascinante porque mostra que 80% dos nossos resultados vêm de 20% dos nossos esforços.

Ou seja, em 80% do tempo estamos fazendo algo que não necessariamente é o melhor pro nosso negócio. Um verdadeiro desperdício de tempo.

Se você acha a regra 80/20 incrível, a regra 64/4 vai te abrir um novo mundo de possibilidades.

Basta você aplicar a regra 80/20 nela mesmo.

Pega os 80% dos 80 e os 20% dos 20. O Pareto do Pareto.

Pronto, agora você tem a regra 64/4: 64% dos efeitos no seus negócio vem dos 4% dos seus esforços.

Ou seja, 96% das coisas que você faz no seu negócio provavelmente não são o que de fato vai mover o velocímetro dele.

Quando você entende isso passa a ver seu aproveitamento de tempo de uma forma completamente diferente.

As suas ações ficam mais objetivas, assim como a sua organização e até suas conversas.

Ao invés de dar voltas você passa a ir direto ao ponto. E as diferenças são praticamente instantâneas.

A aplicação da regra 64/4 abre as portas para você fazer muitas outras atividades que antes pareciam simplesmente não caber no cronograma.

Equilibrista de Pratos

Os tempos da mídia de massa estão ficando no passado e basta observar algumas tendências hoje para entender o caminho que estamos seguindo:

  • Hoje em dia você assiste mais Televisão ou Youtube?
  • Você assiste mais filmes no cinema ou séries na Netflix?
  • E qual desses você usa mais: Táxi ou Uber?

Estamos em mundo cada vez mais descentralizado, onde intermediários estão perdendo espaço e o contato entre empresa e cliente está cada vez mais personalizado e direto.

E talvez você esteja pensando agora:

“Minha linha editorial deve contemplar”:

  • um blog?
  • uma lista de email?
  • uma página no Facebook?
  • um perfil no Instagram?
  • um canal no Youtube?
  • um podcast?
  • um perfil no LinkedIn?

Bom, aplicando o princípio do pareto do pareto que você acabou de conhecer deve dar para fazer tudo. Mas não tudo de uma vez só.

Pois é, existe um cuidado a tomar quando começamos a aplicar a regra 64/4, que é não abraçar tarefas demais.

Quando percebemos as possibilidades que se abrem com um melhor uso do nosso tempo, podemos exagerar nas novas ocupações que assumimos.

Então, pense agora num equilibrista de pratos.

Ele não começa equilibrando 10 pratos de uma vez só.

É loucura. Todos os pratos iriam cair e quebrar.

Ele começa equilibrando o primeiro.

Depois o segundo.

O terceiro… e assim por diante.

Atividades demais podem minar o seu crescimento, ao invés de ajudá-lo.

Isso vale quando pensamos em linha editorial: ao invés de tentar trabalhar com todas, escolha poucos canais de mídia no início e faça um ótimo trabalho nelas, produzindo conteúdo que realmente vale a pena ser compartilhado.

E não superestime aquilo que você pode fazer em 10 anos. A consistência e a resiliência são as chaves do sucesso.

Como montar a sua linha editorial

A linha editorial é como uma esteira de conteúdo.

Cada canal que você escolher para sua estratégia, terá sua própria esteira com diversos formatos de conteúdo, adequados para serem consumidos ao canal.

A linha editorial precisa também acompanhar as mudanças do mercado e das preferências da sua audiência.

Não tenha medo de testar ideias mais ousadas, mas sempre monitore os resultados: teste rápido, falhe rápido e vá para a próxima.

Definições importantes para montar sua linha editorial

Uma linha editorial eficiente não inclui apenas o tema ou título dos artigos a serem publicados e as datas em que essa publicação irá acontecer.

Ela também deve definir:

1.Frequência das postagens

Uma das maiores dúvidas de quem trabalha com produção de conteúdo.

Qual a frequência ideal?

Na minha opinião, a frequência ideal é aquela que você consegue manter, sem falhar e principalmente sem comprometer a qualidade das suas publicações.

Ou seja, ao invés de publicar diariamente artigos rasos, de 300 a 500 palavras, aposte na produção de um conteúdo mais elaborado.

2.Priorize projetos e não seja flexível demais

Tenha muita clareza a respeito de quais conteúdos não podem sofrer atrasos na publicação (como conteúdos de lançamentos, por exemplo) e quais são mais maleáveis.

Procuramos fazer um planejamento de produção de conteúdo de no máximo 1 mês, sempre seguindo o calendário de nossas campanhas semanais e lançamentos.

Já constatamos que um planejamento de conteúdo a longo prazo tende a sofrer mais modificações, gerando retrabalho de organização doCalendário Editorial.

Aliás, não tenha medo de ter que fazer uma mudança ou outra em seu planejamento, pois sabemos que nossa expectativa de mundo ideal nem sempre acontece no real.

3.Tipos de conteúdos que serão publicados

Para uma boa estratégia de produção de conteúdo, além de você buscar temas interessantes e muito procurados por sua audiência, você precisa trazer variedade para sua linha editorial.

Por variedade consideramos o formato do material que será publicado:

  • Artigos e posts de blog: disponibilizam um conteúdo com fácil acesso e variadas visões de mundo.
  • Quizzes: as pessoas adoram responder Quizzes, pois alimentam suas fantasias e desejos.
  • Vídeos: 69% dos usuários de smartphones acham que vídeos são a solução perfeita para consumir conteúdo nesse dispositivo.
  • Áudio (Podcasts): melhor opção para atividades que ocupam o corpo (dirigir, fazer exercícios).
  • Infográficos: uma informação visualmente organizada, fácil e rápida de ser consumida.
  • eBooks: conteúdos mais completos e que tratam de assunto mais complexos funcionam muito bem em formato de eBook.

Levamos em consideração também o teor do conteúdo em si:

  • Conteúdos informativos: como guias completos, tutoriais passo a passo e muitas dicas práticas.
  • Conteúdos emocionais: histórias pessoais ou de outras pessoas que trazem uma boa dose de emoção.
  • Conteúdos especiais para antecipação de lançamentos: trazem conteúdo gratuito e de qualidade, mas já relacionando o assunto com o futuro lançamento de um produto.

E claro, a porcentagem de cada tipo de conteúdo que vamos publicar.

Pronto! Agora sua mensagem está pronta e embalada para ser lançada no mundo digital através de uma linha editorial alinhada aos objetivos do seu negócio.

Como ser muito bem pago pelo que você AMA escrever.

Escritor Milionário

Torne-se um Escritor Milionário →
Escritor Milionário

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

  • Junte-se a mais de 250.000 pessoas

    Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

    >