Mais Receitas

Como Vender sem Vender Sua Alma: O Novo Marketing

Henrique Carvalho Escrito por Henrique Carvalho em 1 de julho de 2013
[vdb_material header="1"]

como vender sem vender sua alma ao diabo

Existe algo tão irritante como um vendedor forçando uma venda?

Você consegue sentir a presença deles a quilômetros de distância.

Aquele sorriso falso no rosto. A ideia de que instantaneamente vocês são melhores amigos.

O papo de “esse é o último produto que temos em nosso estoque” ou “esse produto está em promoção somente até amanhã“.

Sim, a maioria deles parece se preocupar mais com as comissões da venda do que ajudar de fato o cliente. Afinal, esses “vendedores baratos” utilizam os gatilhos mentais de forma duvidosa, pouco honesta.

E quando transferimos esse conceito do mundo “offline” para o mundo “online“, em que qualquer um pode vender o que desejar (alguns esquemas suspeitos de marketing multinível não me deixam mentir), a proporção torna-se exponencial. Eles estão em todos os lugares:

  • Sites com um “arranha-céu” de banners de produtos do tipo “renda fácil”.
  • Páginas de venda com uso intenso de marca texto amarelo para chamar sua atenção.
  • Promessas de ganhar dinheiro sem trabalhar. (leia aqui sobre a verdade que ninguém contará a você sobre ganhar dinheiro online)

Você entendeu. Novamente, são pessoas mais preocupadas em vender do que de fato ajudar. Esquecem do valor do produto oferecido e pensam apenas na comissão.

Na busca pelo ganho “fácil”, esquecem seus valores, sua honestidade, seu caráter. Vendem sua alma para vender mais. E será que realmente vendem?

Hmm.. essas pessoas podem até vender alguns itens, mas todos os empreendedores digitais sérios sabem que esse é um tiro no próprio pé. Um atalho para o fracasso, muitas vezes sem volta.

Porém, olhando pelo lado sério, vender é colocar anos de pesquisa e desenvolvimento de um novo produto que busca solucionar um velho problema. Vender também significa ajudar milhares de pessoas com sua energia, trabalho e conhecimento através de um produto ou serviço oferecido.

O problema está na qualidade do produto e na forma de como vender.

Portanto, como vender sem vender sua alma, não cedendo a esses métodos agressivos que só ferem a sua credibilidade?

Continue lendo esse artigo para saber mais sobre:

[vdb_index]

[/vdb_index]

A “Moeda” do Jogo é Confiança

Todos os empreendedores de sucesso que conheço são aqueles que não estão focados em fechar uma venda.

As pessoas sentem quando você está se preocupando de verdade com elas. É como se essas pessoas tivessem um medidor de confiança a todo momento. Ao ler seus artigos, ver seus vídeos e cair nas páginas de venda de seus produtos, elas avaliam sua confiança na frente de qualquer outra coisa.

Se você parece mentir ou parece apenas empurrar um produto, se preocupando com a comissão, elas irão sentir isso e a confiança delas por você irá cair.

E para quem deseja trabalhar na internet, esse pode ser um tiro no pé.

Porém, se você conseguir gradativamente conquistar a confiança de seus leitores, através de artigos de qualidade e dicas que os ajudem a resolver problemas, eles irão colocá-lo em um nível mais alto em seu “medidor de confiança”.

A “moeda” do jogo de ganhar dinheiro online é a confiança.

Quanto mais seus leitores confiarem em você, mais oportunidades de vender um produto/serviço você terá, porque eles sabem que você não está empurrando algo, mas oferecendo uma maneira de solucionar um problema, uma aflição ou a falta de um conhecimento.

E se você não conhece a importância de escolher com cuidado o nicho de mercado que deseja atuar e nem sabe qual lugar deseja ocupar na mente da sua audiência através da estratégia de posicionamento, sinto dizer mas você pode estar deixando dinheiro na mesa.

No medidor de confiança, você sobe em degraus, mas desce de elevador, em plena queda livre.

Basta ver como um experiência ruim se propaga rapidamente através das redes sociais.

Portanto, embora seja um benefício ganhar dinheiro pelo seu trabalho de compartilhar conhecimento e ajudar de verdade as pessoas, nunca coloque o dinheiro na frente da sua integridade e na confiança que se espera de você.

Lembre-se: “A moeda do jogo de ganhar dinheiro online é a confiança.”

Interrupção x Permissão: O Velho x Novo Marketing

Antigamente, o marketing da interrupção era o conceito padrão e milhares de empresas gastavam milhões de reais em anúncios de TV, rádio e cinema.

A interrupção era a forma mais efetiva de se conseguir a atenção de um possível cliente. Você interrompia o que ele estava fazendo (assistindo futebol na TV, ouvindo notícias no rádio ou esperando o início de um filme) para mostrar a ele sua mensagem.

Na internet, os pop-ups de propagandas faziam esse papel de interrupção, assim como algumas distrações já conhecidas como hotwords, anúncios de  mal posicionados, entre outros.

Não significa que esses métodos não funcionem, mas quanto mais os usuários vão navegando na internet, eles se tornam cada vez mais imunes a estratégias agressivas de vender algo. Leia aqui algumas dicas para melhorar a usabilidade do seu site.

Métodos de interrupção como o “arranha-céu” de banners na lateral de um site, pop-ups de propagandas e o marca texto amarelo em páginas de vendas foram perdendo sua efetividade, sendo substituídos por estratégias como marketing de contéudo.

O leitor cansou de ser interrompido e agora é ele quem deve permitir que sua mensagem chegue até ele. Perceba como os softwares de email marketing (como MailChimplink afiliado) cada vez mais estão do lado da confirmação em 2 passos.

Isso quer dizer que você precisa confirmar seu email para receber informações de um site na sua própria caixa de email. Você é livre para receber, assim como é livre para deixar de receber.

A transição do Marketing da Interrupção para o Marketing da Permissão é gradativa, mas ganha cada vez mais espaço. Simplesmente porque essa é a melhor estratégia de Marketing Digital.

Portanto, você precisava conquistar a confiança de seu leitor antes de tudo. Principalmente, antes de uma venda.

E por que estou compartilhando essa visão do Velho Marketing (Interrupção) x Novo Marketing (Permissão)?

Como o assunto desse artigo é vender mais sem vender sua alma, você precisa entender como gerar mais receitas em seu site nessa nova realidade do marketing digital.

É por esse motivo que irei compartilhar um pouco do modelo do Viver de Blog para gerar receitas, mesmo sendo um novo blog, com pouco mais de 1 mês.

Ah, e se você ainda não cadastrou seu email aqui no site, coloque seu email no campo abaixo e clique no botão para ser o primeiro a receber dicas para melhorar seu site/negócio.

O Caso Viver de Blog: Como Gerar Receitas de Modo Invisível

Nesse curto período que o Viver de Blog existe, a pergunta que mais deixa os leitores intrigados aqui é:

Como é possível o Henrique gerar receita com um novo blog e sem usar anúncios?

Nessa seção, buscarei responder essa pergunta sendo bem transparente com você, como sempre fiz.

O Viver de Blog não possui hoje anúncios do tipo adsense, não possui banners e não aceita nenhum tipo de artigo patrocinado.

Dê uma volta por diversos sites de marketing digital e é possível que você consiga listar nos dedos quantos seguem semelhante filosofia.

Porém, nesse curto período do site, já foi possível gerar receitas satisfatórias, que cobrem todos os custos obtidos até agora com esse novo projeto. Como?

Marketing de Afiliados

Basicamente, vender online através do marketing de afiliados funciona da seguinte forma:

  1. Você se afilia a um produto.
  2. Você coloca seu link de afiliado em seu site ou qualquer mídia de comunicação.
  3. Um usuário clica nesse seu link e cai na página do produto que está sendo promovido.
  4. Ele compra o produto e você ganha uma comissão pela venda.

Um ótimo exemplo desse funcionamento é o Hotmart, plataforma que utilizo tanto como produtor, buscando afiliados para promover meu eBook sobre investimentos, como afiliado, buscando promover produtos de pessoas de confiança.

Por um breve momento você deve ter pensado que é muito fácil ganhar dinheiro assim. Hmm … irei me afiliar a um produto que custa R$ 200 com 50% de comissão. Logo, ganho R$ 100 por comissão por cada venda. Espalho um monte de links no meu site, nas redes sociais e pronto!

Não caia nessa falsa ilusão. Você precisa de muito mais para conseguir um retorno com marketing de afiliados. Abaixo listo 3 fatores extremamente importantes:

1. Você NUNCA deve promover produtos que não conhece/utiliza pessoalmente

Acredite, aqui no Viver de Blog já recebi muitas propostas para divulgar um produto sendo afiliado, mas já rejeitei mais de 90% deles. Por que?

Porque a qualidade desses produtos era totalmente questionável e porque eu não tinha conhecimento suficiente sobre a pessoa ou o produto para recomendá-lo.

Uma dessas pessoas que recomendo de olhos fechados é o Bruno Picinini. Suas estratégias que funcionam há tempos e uma delas pode funcionar para você, que deseja viajar o mundo e manter um negócio lucrativo ao mesmo tempo. O Bruno criou o curso Férias Sem Fim e eu gosto de recomendar porque sei o conteúdo valioso que ele tem a oferecer.

Você precisa dizer muitos “não” para chegar a um único “sim”.

2. Pense na Contextualização

Talvez você já tenha encontrado um produto que seja ótimo, que você utilize no seu dia-a-dia e que possa ajudar muitas pessoas que acompanham seu trabalho.

Porém, na hora de divulgá-lo, você sai espalhando-o por tudo quanto é lugar. Coloca banners no seu site, posta links em todas as suas redes sociais, cria um artigo sobre o produto e, quando olha as estatísticas, não vendeu nenhum item.

Qual é o problema?

Provavelmente, você ainda não possui a confiança necessária do seu público para recomendar um produto.

Porém, você não está contextualizando esse produto de forma alguma. Está simplesmente jogando-o em tudo quanto é lugar para tentar atingir mais pessoas.

Como aplico a contextualização aqui no Viver de Blog?

Se escrevo um artigo sobre geração de tráfego e utilizo pessoalmente um produto para fazer a pesquisa de keywords, analisar a “concorrência” e acompanhar meus rankings no Google e no Bing, é adequado mencionar esse produto.

Afinal, ele pode ajudar um leitor a pensar de forma mais estratégia no seu conteúdo, gerando mais tráfego, além de estar totalmente inserido dentro do contexto de um artigo sobre geração de tráfego.

O exemplo real é o artigo sobre os 7 passos para gerar mais tráfego, em que comento sobre o Market Samurai (link afiliado) e faço questão de sempre colocar ao lado do link do produto “(link afiliado)”, como fiz agora, para indicar que recebo uma comissão caso alguma venda seja gerada pelo meu link.

Contextualização é muito importante. Quando você divulga um link sem contextualizar sobre como ele pode ajudar seus leitores, por mais maravilhoso que seja o produto e você o ame, as pessoas poderão pensar que você está apenas divulgando-o para ganhar dinheiro.

3. Deixe claro que se trata de um link afiliado

Muita gente poderá discordar de mim nesse ponto. Afinal, são raras as pessoas que discriminam quando um link é afiliado (recebendo uma comissão caso ocorra uma venda) ou não é afiliado.

Como já disse, não existe problema nenhum em divulgar um link afiliado, se ele estiver dentro de um contexto e caso ele realmente seja útil para resolver um certo problema, apresentando a melhor solução e que você mesmo usa no seu dia-a-dia.

Logo, por que não dizer simplesmente que se trata de um link afiliado?

Muitos acham que desse modo a pessoa poderá se sentir vendida. Porém, pela minha experiência ocorre justamente o contrário.

Quando você diz claramente que se trata de um link afiliado, a confiança gerada por você compartilhar essa informação (que poucos fazem) só aumenta, assim como as chances da pessoa também utilizar essa produto através de sua recomendação.

Portanto, não tenha medo de mencionar que se trata de um link afiliado. Lembre-se que se você seguiu os dois passos anteriores, você só está querendo compartilhar como e o quanto esse produto/serviço ajudou você e pode ajudar essas pessoas também.

Em certos casos, a afiliação traz um benefício exclusivo do que adquirir o produto por conta própria. Um exemplo é o caso do MailChimp, que oferece $30 de bônus quando você cria um conta com eles, através desse link. (link afiliado)

Conclusão – Recapitulando

como vender sem vender sua alma ao diabo

Você não precisa ser como eles. Não precisa deixar de lado sua integridade, sua honestidade e seu caráter para fazer uma venda, para fechar um negócio.

Lembre-se: “A moeda do jogo de ganhar dinheiro online é a confiança.”

E só existe uma maneira de ganhar a confiança de seus leitores: agregando o máximo de valor para eles.

É o princípio da reciprocidade. Você ajuda para (quem sabe) ser ajudado. Não espere nada em troca. O que é recíproco vem na forma de gratidão.

Todo negócio precisa de receitas para se manter. Até mesmo igrejas precisam de dinheiro para realizar reformas. O dinheiro é apenas um meio, não um fim.

Portanto, não tenha receio de recomendar um produto (seja seu ou de terceiros), desde que você tenha certeza de que ele é capaz de melhorar a vida de uma pessoa.

Mesmo se o produto não for seu e recomendá-lo através do marketing de afiliados, lembre-se das 3 regras:

  1. Você NUNCA deve promover produtos que não conhece/utiliza pessoalmente
  2. Pense na Contextualização
  3. Deixe claro que se trata de um link afiliado

Ganhar Dinheiro Online parece fácil, mas não é.

Não esqueça de gerar um impacto extremamente positivo na vida das pessoas.

Somente depois, sinta-se confortável em recomendar uma solução através de um produto.

O dinheiro é apenas uma mera consequência.
[vdb_banner id=”9878″]

979 Compart.
Compartilhar522
Compartilhar389
Twittar68
WhatsApp